diabetes

Diabetes: sintomas, causas e tratamentos

Na lista de enfermidades que preocupam o brasileiro está o diabetes. O descompasso metabólico que caracteriza o problema, se não tratado adequadamente, mina, e muito, a qualidade de vida do portador da enfermidade. No mundo, mais de 380 milhões de pessoas convivem com a doença. No Brasil, o número de diabéticos ultrapassa 13 milhões de indivíduos. 

Vamos entender mais sobre este tema? Continue a leitura para saber mais.

O que é o diabetes?

Quando falamos de diabetes, estamos nos referindo a, basicamente, dois tipos: 1 e 2. O primeiro ocorre quando o sistema imunológico ataca equivocadamente as células beta do pâncreas, levando a pouca ou nenhuma liberação de insulina. 

O segundo tipo surge quando o organismo não dá conta de usar, de maneira adequada, a insulina que produz,ou não a produz em quantidades suficientes para controlar os níveis de açúcar no sangue. É o tipo mais prevalente. 

Outro tipo da doença é o diabetes gestacional, que é temporário e acontece, como o nome sugere, na gestação. Quase 5% das gestantes são afetadas, sendo que a condição eleva o risco de desenvolvimento posterior para a mãe e o bebê. 

Causas do diabetes tipo 2

Hábitos não saudáveis são os principais fatores de risco para o desenvolvimento do diabetes tipo 2, além da genética. As causas mais influentes para o surgimento da doença, incluem: 

  • pressão alta;
  • colesterol alto;
  • alterações na taxa de triglicérides no sangue;
  • sobrepeso (principalmente se a gordura estiver concentrada em volta da cintura);
  •  histórico familiar positivo para a patologia;
  • doenças renais crônicas;
  • síndrome de ovários policísticos;
  • distúrbios psiquiátricos (esquizofrenia, depressão, transtorno bipolar);
  • apneia do sono;
  • uso de medicamentos da classe dos glicocorticóides.

Tratamentos para a doença

O diagnóstico do diabetes é muito simples e rápido. Com uma gotinha de sangue, é possível saber se há alguma alteração na taxa de glicemia. Se o resultado for positivo, entram em cena outros testes mais específicos, como o curva glicêmica, para que se inicie o tratamento o quanto antes.

Se for constatado o tipo 1, o paciente precisará de injeções diárias de insulina para manter a glicose no sangue em valores considerados normais. Elas são aplicadas pela própria pessoa, na barriga, na coxa, no braço, na região da cintura ou nos glúteos. Um aparelho pequeno e acessível ajuda no controle diário das taxas de insulina.

O tipo 2, por sua vez, requer uso de medicamentos inibidores da alfaglicosidase (impedem a digestão e absorção de carboidratos no intestino), sulfonilureias (estimulam a produção pancreática de insulina pelas células) e/ou glinidas (agem também estimulando a produção de insulina pelo pâncreas). Quando eles, associados à dieta, não conseguem controlar os níveis de açúcar no sangue, as injeções são consideradas. 

E por falar em dieta, ela é essencial (muito mesmo) para o paciente que tem diabetes. Sem alimentação saudável, saúde corre grande risco. Outros dois pontos cruciais são a prática de atividade física e o abandono do cigarro. Se você quer ficar longe desse mal, além de adotar um estilo de vida saudável, faça exames regularmente, pois, em muitos casos, o pré-diabetes é uma oportunidade de evitar danos maiores ao organismo. 

Quer saber mais? Clique no banner!

Endocrinologista e Metabologista em São Paulo

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp